METANÓIA E A RUPTURA DO VASO DE BONSAI- O recriar-se na meia-idade

  • -

METANÓIA E A RUPTURA DO VASO DE BONSAI- O recriar-se na meia-idade

Categoria :Informes

METANÓIA E A RUPTURA DO VASO DE BONSAI- O recriar-se na meia-idade

 

Palestrante: Rosâne Mello

Doutora em Enfermagem Psiquiátrica e Especialista em Arteterpia.

Dia 5 de agosto de 2017 – Das 10h às 12h

Inscrições:  2240 1303 ou por email: riodejaneiro@paulus.com.br

Local: Livraria Paulus. Rua México 111 – Loja B – Castelo

 

Quando se chega à tão falada meia idade, o ‘valor’ do ser humano diminui, pois, seu valor no mercado de trabalho e na sociedade fica reduzido, suas possibilidades ficam restritas ao que sua idade ‘permite’; sua sexualidade vai sendo negada, além de suas características de gênero começarem a ser reprimidas, homogeneizando o feminino e o masculino. Inicia-se a mortificação do ser humano, sem ele ainda ter morrido! Não se pode ter mais beleza, amor, libido ou capacidade produtiva. Resta uma pergunta definitiva… quem disse isso? A partir desta indagação trazemos o conceito de metanóia, que é um período que se inicia após os 40 anos, onde potencialmente ocorre um grande questionamento no que diz respeito ao vir a ser no mundo. Acredita-se que sentimentos de desalento, angústia, depressão e pensamentos ligados à morte física e/ou simbólica podem surgir neste momento. Faz-se necessário então vislumbrar novas esperanças de vida, onde perspectivas de liberdade e de recriação da própria vida surjam, dando lugar a uma vida mais autêntica e verdadeira. (Arcuri, 2012) Neste sentido, a presente palestra consiste em uma apresentação teórico-vivencial sobre a Metanóia.

 

Rosâne Mello – Enfermeira (UFRJ), Mestre em Enfermagem (UFRJ), Doutora em Enfermagem Psiquiátrica (USP), Especialista em Arteterapia (POMAR). Professora de Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental (UNIRIO). Organizadora do Evento Saúde & Arte da Escola de Enfermagem Alfredo Pinto-UNIRIO. Pesquisadora e organizadora de cursos sobre Oficinas Expressivas e Cuidado na rede pública de saúde do Rio de Janeiro.

Local: Livraria Paulus. Rua México 111 – Loja B – Castelo

 

Após dois anos, desde que terminou o estágio na Casa do Índio (Ilha do Governador -RJ), Luci Vilanova rever com um novo olhar esse trabalho com um grupo de Índios moradores permanentes da Casa do Índio. Este estágio foi realizado como parte do programa de Pós Graduação em Arteterapia da Pomar -RJ.

O objetivo maior foi identificar o que os integrantes do grupo, de diferentes tribos e que enfrentavam variadas limitações físicas, mentais e emocionais, tinham em comum e que pudessem, através da Arteterapia, resgatar a essência de cada um e formar uma nova tribo.

Luci Vilanova – Ilustradora, Cenógrafa/Figurinista (EBA-UFRJ) e Mestre em Criação Artística Contemporânea (UA-Portugal). Foi professora do Departamento BAF (EBA-UFRJ). Pós-Graduada em Arteterapia (Pomar-RJ). Autora do livro RABISCOS TERAPÊUTICOS – Como os doodles podem auxiliar na Arteterapia. Ministra oficinas de Rabiscos Terapêuticos, em Congressos, na Pomar (RJ), no Espaço Interior (Niterói) e para o corpo docente de Escolas. Atualmente, leciona no curso de Pós Graduação e de Formação em Arteterapia (POMAR-RJ).